Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Pensar Alto...

A Pensar Alto...

25.11.20

Diego Maradona, a lenda que vai viver sempre

Vânia Pimenta
Para além de uma paixão pelos livros, tenho outra que é o futebol, apesar de não estar nem perto de ser uma especialista. Acima de tudo admiro quem nasceu com um dom, o dom de ser o que se é, o dom de ser de um mundo que não é o nosso, o dom de se superar, o dom de ser algo e alguém que não podemos compreender porque está acima da nossa compreensão. Assim são os génios seja em que área for. O futebol é uma arte, e entre as artes está longe de ser uma arte menor e quem não (...)
25.11.20

Almeida Garrett: a casa feita cinza com futuro de museu

Vânia Pimenta
Nada melhor depois de um passeio de final de tarde, em pleno outono, do que aproveitar o sol das Virtudes, no Porto claro, e saborear uma boa bebida na melhor companhia.  Depois de uma tarde assim, subindo desde as virtudes deparei-me com uma casa devoluta e em muito mau estado. Não tinha nada que chamasse a atenção à vista, no entanto era um edíficio imponente e com algo que despertava a curiosidade: uma espécie de brasão enorme com umas letras que assim de longe não (...)
23.11.20

Ninguém se engana senão por ignorância

Vânia Pimenta
Como muitas pessoas confinada, decidi dar ouvidos à minha irmã e começar a ver Velvet. Uma série com poucos anos, mas que valeu a pena. Em suma, trata-se da história de um atelier de moda em Madrid, Las Galerias Velvet, e a trama passa pela história de amor travada de várias formas de Ana e Alberto, e muitos outros temas que não vêem agora ao caso. Num dos episódios, alguém com uma doença terminal, de acordo com a trama da altura, diz que "ninguém erra senão por (...)
22.11.20

"Mais se adora o sol que brilha, que o sol que ainda não nasceu"

Vânia Pimenta
Depois de mais um assalto à estante do meu avô, li "As Minas de Salomão", livro traduzido e de certa forma adaptado por Eça de Queiroz, e deparei-me com esta frase que me deixou a pensar: Mais se adora o sol que brilha, que o sol que ainda não nasceu. Fez-me perceber que ao longo dos séculos, o tempo muda, as gentes mudam, os hábitos mudam, os costumes mudam, a forma de vida muda, mas a essência de cada um e parte de um todo não, ao que parece não muda. De forma muito (...)
18.09.20

P.S. Não, os judeus não foram responsáveis pelo Holocausto

Vânia Pimenta
Desde sempre me lembro de nos tempos de escola a disciplina de História ser a minha favorita. Quase ninguém gostava porque "era uma seca" diziam eles, e acrescentavam "o que é me interessa o que aconteceu há cem anos?", "já não vai mudar nada e não tenho nada a ver com isso", sem saberem que só conhecendo o passado se vive o presente e tenta preparar o futuro. Sempre discordei ao máximo desta visão. Mas não foi a minha visão sobre o que os meus colegas achavam que me trouxe (...)
07.09.20

Laranjada 'à la camarada'

Vânia Pimenta
  Estou sentada na cozinha, há espera que uns ficheiros subam para a 'drive', particularidades de quem deixou o pequeno quarto feito escritório por um lugar mais amplo e iluminado. Percebi, entretanto, que quando o tempo passa e a velocidade de 'upload' não o acompanha, tudo o que dantes nos passava ao lado, como aquela chávena que está no mesmo sítio há quinze anos e ninguém usa ou dá pela falta dela, se torna interessante. Ao olhar para a fruteira reparei ainda nalgo que (...)
30.06.20

Dom Quixote de 'La Verguenza'

Vânia Pimenta
Não existe dimensão para quantificar o quanto gosto e admiro os meus avós e depois deste texto ainda mais um bocadinho. Em tempos de pandemia e de quarentena, tomo os livros como agências de viagens que nos podem transportar para outros tempos, lugares e obviamente histórias. Tanto assim que me vejo, neste momento, a ler mais do que um livro ao mesmo tempo. Estou a terminar um da fantástica obra de Eça de Queiroz e, sendo um escritor que gosto muito de ler, decidi ler toda a obra (...)
06.05.20

E se o nosso país não for tão pacato como achamos?

Vânia Pimenta
E se quarentena é sinónimo de estar em casa...creio que para a maior parte dos portugueses é e foi também sinónimo de conhecer o que se tem nas prateleiras esquecidas lá por casa. A mim pelo menos aconteceu isso. Num breve passeio pela estante do escritório vi que tinha para lá guardado um livro que nunca tinha lido e que estava meio perdido naquele oceano de papelada. Chamou logo à atenção pela capa peculiar e diferente de todos os outros livros que tenho e além disso um (...)
25.04.20

Um dispensador de água e um cravo

Vânia Pimenta
Cá em casa temos um novo dispensador de água automático. Branco, moderno, xpto, coloca-se no garrafão da água, é só carregar no botão e, como se diz na minha terra, ora aí está o que é: um copo cheio de água sem ser preciso ter o trabalho de pegar no garrafão da água durante vários dias, isto é, aqueles que cinco litros permitem. E isto por uns meros cinco/seis euros! Não é uma pechincha? Muito útil, poupamos imenso trabalho e as costas por não pegarmos naquele peso. D (...)